Política

Deputado diz que Flávio Dino paga dívida de campanha com sangue dos moradores do Cajueiro

Em 2014, Flávio Dino era defensor da população do Cajueiro

13/08/2019 19h06
Por: Eduardo Magalhães
Fonte: Linhares Júnior

O deputado estadual Wellington do Curso (PSDB) utilizou, na tarde desta segunda-feira (12), a tribuna da Assembleia Legislativa do Maranhão para denunciar o absurdo do governador Flávio Dino, que, segundo o parlamentar, “vendeu” a comunidade do Cajueiro, na Zona Rural de São Luís. A denúncia foi movida após identificar a incoerência do governador que, em 2014, era defensor da população do Cajueiro, mas agora permitiu que casas de diversas famílias fossem destruídas.

Wellington mostrou documento em que comprova que, na realidade, Flávio Dino agora é contra a comunidade do Cajueiro porque recebeu R$252 mil da empresa WTorre, atualmente chamada de TUP São Luís SA, que é a responsável pela construção do Porto e pela demolição das casas das famílias.

“Flávio Dino paga a dívida de campanha de R$ 252 mil com sangue dos moradores do Cajueiro. É isso mesmo! Uma das doadoras para a campanha do governador foi a mesma empresa que agora ‘comprou’ o Cajueiro! Uma vergonha! Flávio Dino massacra os mais pobres e usa o poder do estado pra tentar esconder a triste realidade do Maranhão”, disse o deputado Wellington.

Ainda na manhã desta segunda-feira (12), Wellington acompanhou parte dos moradores do Cajueiro, que estavam acampados em frente ao Palácio dos Leões.

“Flávio Dino é um covarde! Enquanto a população estava lá em frente ao Palácio, ele, de forma traiçoeira, mandou destruir as casas das famílias. Governador, isso não se faz! Em 2014, esses moradores confiaram. Agora, recebem essa maldade em forma de traição”, afirmou o deputado Wellington do Curso.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários